bem-vindo

AO ÚNICO, VERDADEIRO, ORIGINAL!

curso de medicina de emergência
desde 2002

tradição

0
Anos de história

experiência

+ 0 Mil
Alunos Formados

qualidade

0 %
Avaliação bom e ótimo

Questão #48

questão_48

Mulher de 45 anos, alcoolista (quase 1 L de destilado/dia há 15 anos), procurou o departamento de emergência devido a fraqueza, adinamia, cansaço e dor abdominal de início há 30 dias. Negou febre e relatou nunca ter tido qualquer doença. Descorada (2+/4+), ictérica (1+/4+); PA: 100 x 70 mmHg, FC: 112 bpm; abdome: piparote positivo; membros inferiores sem edema. Exames séricos: albumina: 3,7 g/dL, tempo de protrombina: 65% (RNI: 1,3), bilirrubina total: 2,9 mg/dL (direta: 2,3 mg/dL), aspartato aminotransferase (TGO): 89 U/L, alanina aminotransferase (TGP): 122 U/L; ureia: 21 mg/dL e creatinina: 0,9 mg/dL. Líquido ascítico: amarelo-citrino; albumina: 2,9 g/dL; número total de células: 3.510/mm3 (polimorfonucleares: 13%). Nessa paciente, é correto afirmar que:

a. Alfafetoproteína sérica muito aumentada indica bom prognóstico devido à intensa regeneração hepática.
b. Aumento do número de células no líquido ascítico não indica necessariamente que há uma peritonite bacteriana espontânea.
c. O diagnóstico é de cirrose alcoólica, sendo corroborado se houver melhora do perfil hepático após o paciente interromper a ingestão de etanol.
d. Nesse caso descrito, é improvável que outros exames no líquido ascítico tenham utilidade diagnóstica.
e. Ultrassonografia abdominal com fígado normal descarta cirrose hepática

Resposta abaixo:
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Resposta certa : b) Aumento do número de células no líquido ascítico não indica necessariamente que há uma peritonite bacteriana espontânea.

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Dr. Herlon Saraiva Martins
Termos de uso & Política de Privacidade

© 2019 – Curso de Emergências – Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho